Lançamento Anna Pegova: Manteiga Corporal Romã + Chá Verde. Compre Agora!

Wellness

26 de fevereiro de 2015 ás 22:19

Codependência

 

Muitos já ouviram falar em codependência, um termo usado para pessoas que convivem com um dependente químico. Mas percebeu-se que não é uma particularidade somente dessas pessoas, mas comum nas que convivem com outras emocionalmente perturbadas, que se relacionam com doentes crônicos, que convivem com pessoas irresponsáveis, com compulsivos por jogo, sexo, compras; pais de crianças e adolescentes com problemas de comportamento. Comum em pessoas muito inseguras e com uma autoestima muito baixa que se apegam demasiadamente a outras, sejam estas adequadas ou não.

Ser codependente significa que temos deixado o comportamento de outra pessoa nos afetar muito e por tempo prolongado e que somos obcecados em controlar o comportamento dessa outra pessoa. O codependente esta sempre com o foco no outro e o vinculo geralmente não se concentra no amor ou na amizade, mas no distúrbio do outro ou na sua própria carência afetiva. Tem grande tendência a sentir-se responsável pela outra pessoa e compelido a ajudar a pessoa a resolver seus problemas. Procuram desesperadamente por amor e aprovação, mas quase sempre procuram o amor de pessoas inadequadas. Perdem o interesse em sua própria vida e temem que a outra pessoa venha a deixá-los.

Uma dica importante para perceber que já se tornou um codependente é constatar que a preocupação se transformou em obsessão, que a compaixão se transformou em tomar conta, que esta cuidando mais da outra pessoa que de si mesmo. Quando o codependente percebe essa autoarmadilha e decide agir e investir em si mesmo, a sensação será libertadora. Vai esmaecendo a dor insuportável com a qual conviveu por muito tempo. Isso implica em aprender ou reaprender um novo comportamento: tomar conta de si mesmo.

Essa grande virada na vida é baseada na afirmação obvia de que cada pessoa é responsável por si mesma. Atribuir ao outro a responsabilidade por suas escolhas nos permite começar a amar a nós mesmos e aos outros como tais, permite aceitarmos receber amor e tornar a atmosfera a nossa volta muito mais sadia. A recuperação do gerenciamento da própria vida abre o caminho de se dar o direito de começar a permitir-se ser feliz! Adquire-se a consciência de que “amar é deixar ao outro a responsabilidade de suas próprias escolhas”.

 

codependencia

Texto adaptado – Maria José Gomes S Nery

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*